Como o vício em cafeína afeta nosso cérebro?

A ingestão regular de droga altera a composição química cerebral, levando à fadiga, dores de cabeça e náusea se o indivíduo tentar parar. Dentro de 24 horas da interrupção da droga, os sintomas de abstinência começam. Inicialmente, eles são sutis, a primeira coisa percebida é a sensação de nebulosidade mental, e falta de atenção.

Os músculos estão fatigados, até quando o indivíduo não fez nada extenuante, e suspeita-se que esteja mais irritado do que o habitual. Ao longo do tempo, uma dor de cabeça latejante inconfundível se instaura, tornando difícil se concentrar em qualquer coisa.
Naturalmente, como o próprio corpo protesta ao ter a droga afastada, é possível até sentir dores musculares fortes, náusea, e outros sintomas semelhantes com gripe. Não se trata da heroína, tabaco ou mesmo interrupção do álcool.
vício em cafeína com xicara e seringa
No caso, fala-se sobre interromper a cafeína, uma substância consumida tão amplamente, e em definições mundanas, como na reunião do escritório ou no carro, que muitas vezes as pessoas se esquecem que se trata de uma droga, e de longe a droga psicoativa mais popular do mundo. Como muitas drogas, a cafeína quimicamente vicia, um fato que os cientistas estabeleceram em 1994.

Com a publicação da quinta edição de Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, DSM, a interrupção da cafeína foi finalmente incluída como uma desordem mental pela primeira vez, apesar de seus méritos para inclusão sejam sintomas que os consumidores regulares de café conhecem bem dos tempos que ficaram sem o café por um dia ou mais.

Qual é a razão do vício em cafeína?

Por que, exatamente, a cafeína vicia? A razão decorre da forma que a droga afeta o cérebro humano, produzindo a sensação de alerta que os consumidores da cafeína anseiam. Logo depois de beber ou comer algo contendo cafeína, a mesma é absorvida através do intestino delgado e dissolvida na corrente sanguínea.

Em razão do produto químico ser solúvel em água e gordura, ele pode dissolver em soluções como o sangue, assim como substâncias com base em gordura, como as membranas celulares, então há capacidade de penetrar a barreira sangue-cérebro e entrar no cérebro.

Estruturalmente, a cafeína se assemelha a uma molécula que é naturalmente presente no cérebro, chamada adenosina, que é um subproduto de muitos processos celulares, incluindo respiração celular, tanto, na realidade, que a cafeína pode se encaixar perfeitamente nos receptores das células do cérebro para adenosina, efetivamente os bloqueando.

Normalmente, a adenosina produzida ao longo do tempo se prende nestes receptores e produz uma sensação de fadiga. Quando as moléculas de cafeína estão bloqueando estes receptores, impedem isto de ocorrer, gerando assim uma sensação de alerta e energia por algumas horas.

Além disso, alguns dos estimulantes naturais próprios do cérebro, como a dopamina, funciona mais efetivamente quando os receptores de adenosina são bloqueados, e toda adenosina excedente flutuando no cérebro oferece uma deixa para glândulas adrenais secretar adrenalina, outro estimulante.

Por esta razão, a cafeína não é tecnicamente um estimulante em si, de acordo com Stephen R. Braun, o autor de Buzzed: the Science and Lore of Caffeine and Alcohol, mas um facilitador estimulante, uma substância que permite que os estimulantes naturais sejam potencializados.

A ingestão da cafeína, ele escreve, é semelhante a “colocar um bloco de madeira sob um dos pedais de freio primários do cérebro”. Este bloco permanece no lugar por algo de 4 a 6 horas, dependendo da idade, tamanho da pessoa, e outros fatores, até que a cafeína seja eventualmente metabolizada pelo corpo.
mulher com dor de cabeça vício em café

O vício em cafeína ao longo do tempo

Nas pessoas que aproveitam deste processo em uma base diária, isto é, café/chá, refrigerante ou para viciados em bebidas energéticas, a química e características físicas do cérebro realmente mudam ao longo do tempo.

A mudança mais notável é que as células do cérebro desenvolvem mais receptores de adenosina, que é uma tentativa do cérebro manter o equilíbrio em face de um ataque constante de cafeína, com seus receptores de adenosina tão regularmente conectados.

Os estudos indicam que o cérebro também pode diminuir o número de receptores de norepinefrina, um estimulante. Isto explica o motivo de os consumidores regulares de café desenvolver uma tolerância ao longo do tempo, porque se há mais receptores de adenosina, é preciso mais cafeína para bloquear uma proporção significativa deles, e conseguir o efeito desejado.

Isto também explica a razão de que largar repentinamente da cafeína possa desencadear uma série de efeitos da ausência. A química subjacente é complexa e não totalmente compreendida, mas o princípio é que o cérebro é usado para operar em um conjunto de condições.
E com um número artificialmente inflado de receptores de adenosina, e um número diminuído de receptores de norepinefrina, torna-se depende da ingestão regular da cafeína.
homem algemado a uma xicara de cafe viciado
Repentinamente, sem a droga, a química cerebral alterada causa todos os tipos de problemas, incluindo a temida dor de cabeça da ausência da cafeína. A boa notícia é que, comparado com muitos vícios de drogas, os efeitos são relativamente de curto prazo.

Como se livrar do vício em cafeína

Para se livrar, é necessário apenas passar por cerca de 7 a 12 dias dos sintomas sem beber qualquer cafeína. Durante este período, o cérebro naturalmente diminuirá o número de receptores de adenosina em cada célula, respondendo à falta súbita de ingestão da cafeína.

Se for possível passar por este tempo sem uma xícara de café ou chá, os níveis de receptores de adenosina no cérebro se recompõem aos seus níveis de base, e o vício do consumidor será interrompido.

Até 400 miligramas da cafeína por dia parece ser seguro para a maioria dos adultos saudáveis. É aproximadamente a quantidade de cafeína em 4 xícaras de café preparado. Embora o uso da cafeína possa ser seguro para adultos, não é uma boa idéia para as crianças. E adolescentes devem se limitar a não mais do que 100 miligramas de cafeína por dia.

Apesar dos inúmeros benefícios, o uso pesado da cafeína pode causar efeitos colaterais desagradáveis. E cafeína pode não ser uma boa escolha para as pessoas que são muito sensíveis aos seus efeitos, ou que tomam determinados medicamentos.

Seu comentário é importante!